3 - A LUZ DO MUNDO
24/03/2018 01:11 em Série: JESUS, O EU SOU

JESUS, O EU SOU

3 – A LUZ DO MUNDO (João 8.12-19)

O ensino do Senhor Jesus de que Ele é a Luz do Mundo ocorre logo após o momento em que levaram uma mulher pega em flagra num ato de adultério (João 8.1-11). E as coisas são interligadas, pois a luz clareia as coisas que antes estavam obscuras. E o que mais tinha no contexto da história da mulher adúltera era justamente o lado obscuro da humanidade. Uma mulher que cometeu um pecado grave foi conduzida a Jesus por homens mal intencionados; mas que queriam dar uma aparência de defensores da moral e dos bons costumes. Porém Jesus trouxe luz ao coração deles, para que se arrependessem, ao pronunciar as famosas palavras: — Quem de vocês estiver sem pecado seja o primeiro a atirar uma pedra nela (João 8.7). Porque, na verdade aqueles homens apresentaram apenas a mulher, acobertando o homem; assim como a intenção de seus corações era pegar Jesus numa falha. Porém, começando pelos mais velhos, todos saíram da presença de Jesus. O Mestre também trouxe luz para a mulher, mostrando que ela pode receber o perdão dos pecados: Levantando-se, Jesus perguntou a ela: — Mulher, onde estão eles? Ninguém condenou você? Ela respondeu: — Ninguém, Senhor! Então Jesus disse: — Também eu não a condeno; vá e não peque mais (João 8.10‭-‬11). Mas o que precisamos aprender aqui é que Jesus é a Luz que torna a verdade bem clara aos olhos e a mente. Porque, primeiro, todos ali estavam afundados em pecados, tanto a mulher quanto seus acusadores. O segundo destaque é que Jesus perdoa pecados. E em terceiro, o arrependimento é necessário, pois fica bem claro nas palavras finais de Jesus para a mulher: Vá e não peques mais. A questão é: Será que a humanidade quer a Luz do Mundo que põe de maneira clara a necessidade de reconhecer os próprios pecados e mudar de atitude?‬‬‬‬‬‬

Vamos aprender com Jesus: De novo, Jesus lhes falou, dizendo: — Eu sou a luz do mundo. Quem me segue não andará nas trevas; pelo contrário, terá a luz da vida (João 8.12). É necessário seguir Jesus. Ir atrás do Salvador, o imitando na caminhada. Isto faz lembrar os artistas de ruas chamados de “sombras”, que vão atrás imitando toda a forma de caminhar das pessoas. Jesus deixou um rastro de luz para o seguirmos. Por ser a Luz, significa que o caminho é claro diante de nossos olhos. Este caminho não é fácil, pois o próprio Jesus o chamou de porta estreita. Porque devemos perdoar quando ninguém quer perdoar e amar até mesmo quem não nos ama. É seguir por um caminho apertado, mas o único iluminado para a vida. A luz é tão forte que não há como as trevas prevalecerem. No texto grego quando Jesus diz que quem o segue não andará nas trevas aparece em sequência dois termos sinônimos que significam “não”: O que me seguir “não” “não” caminhará na escuridão. Jesus está fazendo uma afirmação contundente de que não há comunhão entre a luz e as trevas, de maneira que quem o segue está garantido na vida de santidade com Deus.

Porém, não é fácil aceitar esse discurso: Então os fariseus lhe disseram: — Você dá testemunho de si mesmo. O testemunho que você dá não é verdadeiro (João 8.13). As palavras do Senhor Jesus somente são aceitas pela fé, pois se tratava de um ser humano alegando para si mesmo a divindade. Pois “Eu Sou” é uma expressão do próprio Deus acerca de si mesmo. Então, os religiosos deveriam realmente ser prudentes em se certificar de que o testemunho era verdadeiro. Porém, eles insistiam em negar os sinais de Deus e desprezavam de imediato a verdade divina. Porque, na verdade, os que se acham sábios aos seus próprios olhos, sempre vão querer argumentar contra o Senhor Jesus. Até hoje é assim, porém o que acontece com muitos religiosos de nossos dias é que não rejeitam o ensino do Senhor declaradamente, mas o rejeitam desprezando se comprometer com o que Ele revelou. Como disse Agostinho, Bispo de Hipona: “Se você crê somente naquilo que gosta no Evangelho e rejeita o que não gosta, não é no Evangelho que você crê, mas, sim, em si mesmo”.

Porém, enquanto os fariseus descartavam o ensino de Jesus. O Mestre continuava lhes ensinando e dando a eles a oportunidade de ouvir a verdade em amor; mesmo que ela fosse dura e confrontadora para eles: Jesus respondeu: — Ainda que eu dê testemunho a respeito de mim mesmo, o meu testemunho é verdadeiro, porque sei de onde vim e para onde vou; mas vocês não sabem de onde venho, nem para onde vou (João 8.14). É difícil, mas a humanidade tem que reconhecer aquele que é infinitamente superior em sabedoria. Jesus confronta a sabedoria limitada do ser humano que mesmo não tendo resposta pra tudo, menospreza a revelação de Deus. Jesus sempre nos revelou que o seu ensino é da parte do Pai. E, por isso o testemunho é verdadeiro. Logo, isso também nos ensina que não podemos colocar na cabeça das pessoas coisas que Deus não nos mandou falar. Porque, infelizmente, muitos para ter autoridade, sobre outras pessoas, dizem coisas em nome de Deus, da qual o Pai nunca autorizou. Portanto, temos sempre que tomar cuidado com as manipulações. Por isso, temos a Escritura para nos orientar quanto a vontade do Pai. Ela também é Luz, como diz o Salmo 119.105: Lâmpada para os meus pés é a tua palavra, é luz para os meus caminhos. Toda pessoa que diz estar falando da parte de Deus tem que falar em conformidade com a sua revelação. Assim como o Senhor Jesus se apresentou da parte do Pai, de maneira bem clara como o cumprimento das profecias do Antigo Testamento. O que quer dizer que até o Filho de Deus se submeteu a cumprir somente o que a Escritura apontava: Mas para a terra que estava aflita não continuará a escuridão. Deus, nos primeiros tempos, tornou desprezível a terra de Zebulom e a terra de Naftali, mas, nos últimos tempos, tornará glorioso o caminho do mar, além do Jordão, Galileia dos gentios.  O povo que andava em trevas viu grande luz, e aos que viviam na região da sombra da morte resplandeceu-lhes a luz (Isaías 9.1‭-‬2). Estava diante deles o Galileu que é a Luz do mundo, porém eles não reconheceram diante deles o cumprimento da profecia.‬‬

Jesus fala sobre porque era difícil para os fariseus crerem na revelação de Deus: Vocês julgam segundo a carne; eu não julgo ninguém. E, se eu julgo, o meu juízo é verdadeiro, porque não sou só eu que julgo, mas eu o Pai, que me enviou (João 8.15-16). Nunca podemos esquecer que nossa realidade pecadora (carnal) pode nos conduzir a falhas ao distinguir as coisas e acabar julgando mal às pessoas. Como diz a Palavra: Enganoso é o coração, mais do que todas as coisas, e desesperadamente corrupto. Quem poderá entendê-lo? (Jeremias 17.9). Jesus repete esse ensino sobre julgamento de maneira ainda mais detalhada em outro momento: Se alguém ouvir as minhas palavras e não as guardar, eu não o julgo. Porque eu não vim para julgar o mundo, e sim para salvá-lo. Quem me rejeita e não recebe as minhas palavras tem quem o julgue; a própria palavra que falei, essa o julgará no último dia. Porque eu não falei por mim mesmo, mas o Pai, que me enviou, esse me ordenou o que dizer e o que anunciar (João 12.47‭-‬49). O Senhor é aquele que tem verdadeira autoridade para julgar. Mas, Ele não está com isso dizendo que entre as pessoas cada um deve fazer o que bem entende e que ninguém deve fazer nada ou julgar ninguém. Pelo contrário, vemos na Escritura que as pessoas devem ser confrontadas em seus pecados para que se arrependam, como fez o profeta Natã quando o Rei Davi estava em adultério. Mas como pecadores podemos ser movidos pela carnalidade, logo devemos tomar muito cuidado para que não sejamos movidos para julgar os outros sem amor no coração, enquanto nós mesmos estamos afundados na podridão moral, como aconteceu na história da mulher adúltera e seus acusadores. Eu tenho uma impressão que o Senhor Jesus, também está se referindo ao velho hábito humano de falar mal uns dos outros, porque essa prática já se tornou praticamente um hobby entre muitas pessoas. Mas acima de tudo, Jesus está ensinando que os que rejeitam seus ensinos estão condenando a si mesmos, de maneira que o ser humano é responsável pelos seus atos. Enquanto Jesus em comunhão com o Pai revela ao homem o caminho para que sejam salvos do julgamento da condenação eterna.‬

Jesus reafirmou que as suas Palavras são confirmadas pelo Pai, logo o seu testemunho é verdadeiro: Também na Lei de vocês está escrito que o testemunho de duas pessoas é verdadeiro (João 8.17). Jesus está ensinando uma lei, praticamente universal, de não sair acreditando no qualquer um fala, pois é preciso que mais alguém testemunhe. Mas, também está ensinando o quanto deve se dar de crédito a quem está falando; principalmente, se for alguém que o testemunho é verdadeiro, uma pessoa irrepreensível. O que acontece aqui é que alguns dentre os fariseus estavam cheios de má vontade para ouvir Jesus, mesmo quando os sinais eram claríssimos. Isto vai se evidenciar em outra afirmação do Senhor Jesus de que Ele é a Luz do Mundo, que é na cura do cego de nascença (sabiam quem era o cego e que realmente tinha sido curado, então tentam acusar Jesus por outros meios). Jesus é a Luz que acaba com as coisas obscuras.

Jesus segue ensinando: Eu dou testemunho de mim mesmo, e o Pai, que me enviou, também dá testemunho de mim. Então eles lhe perguntaram: — Onde está o seu Pai? Jesus respondeu: — Vocês não conhecem a mim e não conhecem o meu Pai; se conhecessem a mim, também conheceriam o meu Pai (João 8.18-19). O Pai testemunhou sobre o Filho no batismo: E eis que uma voz dos céus dizia: — Este é o meu Filho amado, em quem me agrado (Mateus 3.17). Mas uma coisa que precisamos entender é que se temos uma grande vontade de ver a Deus, podemos fazer isso hoje, conhecendo o Senhor Jesus: Ninguém jamais viu Deus; o Deus unigênito, que está junto do Pai, é quem o revelou (1 João 1.18). Jesus está brilhando, e como luz está mostrando como podemos ver o Pai. E segundo o Mestre é muito simples ver o Pai, basta ver ao próprio Cristo: Jesus respondeu: — Há tanto tempo estou com vocês, Filipe, e você ainda não me conhece? Quem vê a mim vê o Pai. Como é que você diz: “Mostre-nos o Pai”? (João 14.9). Porém, muito mais do que apenas ver, o Senhor está falando sobre conhecer. Várias pessoas viram Jesus e estão em perdição, porque rejeitaram conhecê-lo. Quem conhece Jesus, conhece o Pai. A Igreja precisa conhecer Jesus, para viver Jesus, para amar as outras pessoas como Jesus ama, sendo assim libertos de uma vida egocêntrica. Por não conhecer Jesus, muitos consideram que se dedicar a Ele e ter comprometimento com a sua Igreja é um atraso de vida, um incômodo. Tudo isso acontece com quem não conhece Jesus. E quem não conhece Jesus, também não conhece a grandiosidade da missão de Jesus. Precisamos ler o Evangelho e ouvir a doce voz de Jesus falando aos nossos corações, precisamos de um avivamento que faz com que nos maravilhemos com a doçura do Filho de Deus. No livro do profeta Oséias foram feitos vários alertas sobre a necessidade de conhecer a Deus: O meu povo está sendo destruído, pois lhe falta o conhecimento (Oseias 4.6); Conheçamos e prossigamos em conhecer o Senhor! Como o amanhecer, a sua vinda é certa; ele descerá sobre nós como a chuva, como chuva fora de época que rega a terra” (Oseias 6.3); Pois quero misericórdia, e não sacrifício; conhecimento de Deus, mais do que holocaustos (Oseias 6.6). Precisamos de todo nosso coração buscar e perseverar em conhecer o Senhor Jesus: Aquele que diz: “Eu o conheço”, mas não guarda os seus mandamentos, esse é mentiroso, e a verdade não está nele (1 João 2.4). Todos nós somente conhecemos o Pai porque Ele se revelou a nós, e a sua revelação é o Senhor Jesus. 

Quanto mais estivermos acostumados com as trevas do pecado maior será o confronto em nosso interior quando estamos diante da Luz do mundo. É semelhante ao que acontece conosco quando acordamos a noite e já estamos acostumados com a escuridão, mas de repente quando acendemos uma lâmpada, de início não suportamos a claridade. Então, podemos tomar duas decisões; apagar a luz para não forçarmos nossas vistas, correndo o risco de bater com a cara na parede, ou manter a luz acesa até nos acostumarmos com ela e nos movimentarmos pela casa com segurança. Mantenha Jesus aceso em você e experimente a alegria da segurança eterna.

Outro exemplo prático é que quando nascemos nossos olhos se abrem para ver a luz, mas quando morremos nossos olhos se fecham na escuridão da sepultura. Por isso, somos chamados por Cristo para nascer numa nova vida que Ele nos concede, a fim de não ficarmos mortos nos nossos pecados.

Temos que tomar cuidado porque todo ser humano em algum momento usa uma máscara, transparecendo para os outros, algo que não é verdadeiramente. Jesus é a luz que revela o que há por trás de nossas máscaras, mostrando a verdade que antes estava obscura. A Luz revela como as coisas são na realidade. Ela acaba com as trevas da nossa presunção, da nossa superioridade. E quem se rende a essa Luz se rende a sua humildade. Na escuridão podemos nos olhar no espelho e apenas imaginar que somos de um jeito. Mas ao acender a Luz vemos como realmente somos. Porém, não estou falando de nossa aparência física, mas do nosso interior. Porque existem máscaras que enganam os outros, porém existem aquelas tão mal feitas que não enganam a ninguém além da própria pessoa. Não podemos nos enganar com as nossas máscaras.  Como está escrito: Não se enganem, fingindo-se de ouvintes, quando na verdade, deixam a Palavra entrar por um ouvido e sair pelo outro. Coerência é tudo! Quem apenas ouve e nada faz é como quem se olha no espelho, e, no minuto seguinte, já nem se lembra da própria aparência (Tiago 1.22-24/Bíblia A Mensagem). Na história da mulher adúltera, aqueles homens estavam com a máscara de defensores da família, da fidelidade conjugal, da verdadeira obediência a Deus; mas Jesus faz com que vejam a verdadeira motivação de seus corações, toda corrupção interior. E Jesus fez isso para que eles se arrependessem e abandonassem aquela vida maliciosa.

Ainda existe mais uma coisa maravilhosa na revelação de Jesus declarando ser a Luz do mundo, é que Ele também nos deu esse privilégio de sermos semelhantes a Ele: Vocês são a luz do mundo. Não se pode esconder uma cidade situada no alto do monte (Mateus 5.14). Porém, não temos luz própria. Por isso precisamos estar unidos à fonte de toda luz do mundo que é o nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo. Recebamos esse batismo de fogo que vai queimar o pecado, aquecer o coração e iluminar o mundo como uma tocha. Então que sejamos luz.

Marcio Costa Daflon

1 – O que Jesus estava afirmando e prometendo no versículo 12? O que ele queria dizer com “luz” e “trevas”?

2 – O que a pergunta do fariseu no versículo 19 revelou sobre a relação dele com o Pai? Que coisas você pode fazer para conhecer mais a Jesus?

COMENTÁRIOS
Comentário enviado com sucesso!

Igreja Presbiteriana de Miguel Couto

“Amando a Deus e às pessoas”

Estrada do Iguaçu, 113 – Miguel Couto – Nova Iguaçu – RJ – CEP.: 26.145-420 (21) 2769-0947

e-mail: igpresbiterianademiguelcouto@gmail.com

Quarta: 19h30 – Culto / Quinta e Sexta: Células nos lares

Domingo: 09h - Escola Bíblica / 18h – Culto

Miguel Couto - Tinguá – Nova América – Grama                    

                                                                                                                                    www.radios.com.br