Cartas de Amor 10 – O Amor é Justo (1 João 3.7-10)
25/04/2016 - 11h01 em Pastoral - Cartas de Amor

Cartas de Amor  10

O Amor é Justo (1 João 3.7-10)

“A justiça engrandece um povo, mas o pecado é uma desgraça para qualquer nação” (Provérbios 14.34 NTLH)

          Todo ser humano tem uma forte tendência para o pecado. Por isso, somos chamados a tomar todo o cuidado com a facilidade que temos de sermos enganados: Filhinhos, não vos deixeis enganar por ninguém; aquele que pratica a justiça é justo, assim como ele é justo (1 João 3.7). Os riscos de sermos enganados são tão grandes, que até mesmo coisas boas podem ser deturpadas e utilizadas para o mal; por exemplo, a graça de Deus. Pois, uma vez que a graça é um favor que não merecemos; muitos podem interpretar maliciosamente como uma licença pra viver de maneira desregrada e egoísta. João mesmo já deixou claro que não há perfeição em nós, que quem diz que não tem pecado está mentindo (1 João 1.8-10). Porém, não quer dizer que tudo é uma grande bagunça em nossas vidas; como escreveu Timothy Keller sobre o Evangelho: O evangelho não diz respeito ao que fazemos, mas ao que foi feito por nós; mesmo assim, o evangelho resulta em um modo de viver completamente novo. O centro de tudo não é a nossa justiça, mas uma relação pessoal direta com aquele que é justo, e num relacionamento íntimo com Jesus, certamente, seremos influenciados por ele. Pois, a justiça de Deus não consiste apenas numa vida “corretinha”, mas numa verdadeira influência benéfica neste mundo de tantas injustiças; porque a justiça de Deus consiste no fato de que, se for preciso, devemos perder algumas coisas em favor do bem todos. Certa vez li que “justiça é a prática das normas de comportamento e princípios de vida estabelecidos por Deus ao homem”, e que “justiça é o princípio orientador nos relacionamentos com nossos próximos”. Logo, a prática da justiça beneficia toda a sociedade.

          Em oposição a justiça está o pecado, que é a transgressão da lei de Deus; ou, viver sem lei. Aquele que pratica o pecado procede do diabo, porque o diabo vive pecando desde o princípio. Para isto se manifestou o Filho de Deus: para destruir as obras do diabo (1 João 3.8). O pecado é a submissão dos homens ao governo do diabo, porém com a crença numa grande mentira; que é a impressão de que a pessoa simplesmente está fazendo a sua própria vontade. Mas, uma vez que o que vive pecando, vira as costas pra Jesus; não é realmente isso que o diabo quer? Porque a vontade de Jesus é bem definida, porém a vontade do inimigo é ampla. Pois a única coisa que ele almeja é que a humanidade contrarie a vontade do Pai Eterno. A palavra diabo significa literalmente caluniador. Com suas mentiras, ele provoca divisões jogando uns contra os outros, e foi assim desde o princípio. Jesus disse que ele é um assassino, assim como tem uma grande especialidade na mentira, o que foi muito ressaltado por Jesus ao se dirigir pra algumas pessoas: Vós sois do diabo, que é vosso pai, e quereis satisfazer-lhe os desejos. Ele foi homicida desde o princípio e jamais se firmou na verdade, porque nele não há verdade. Quando ele profere mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso e pai da mentira (João 8.44). Mas não precisamos ficar escravizados na mentira, porque em oposição ao mentiroso está o verdadeiro, que é o Senhor Jesus. E ele veio nos libertar e destruir as obras do diabo. Este Destruir no texto significa, literalmente, desamarrar, desatar. De certa forma, com nossas tendências para o pecado, somos facilmente enrolados (na persuasão) ou amarrados (na força) pelo diabo. Mas toda glória seja dada ao Pai, que enviou o Filho Jesus para “desatar esse nó”, e nos libertar para sempre. Como está escrito: Todo aquele que é nascido de Deus não vive na prática de pecado; pois o que permanece nele é a divina semente; ora, esse não pode viver pecando, porque é nascido de Deus (1 João 3.9). Temos dentro de nós a semente de Deus, com as suas próprias características permanentes. Não podemos ficar dando uma de “coitadinho”, de “fraquinho”, como desculpas para “enfiar o pé na lama do pecado”. Nascemos de novo em Cristo, para estarmos completamente nEle e com Ele. Pense no que diz 1 João 3.6 (Bíblia A Mensagem): “Ninguém que viva profundamente em Cristo vai fazer do pecado uma prática. Quem vive na prática do pecado nunca se voltou para Cristo, mas virou as costas para ele” .

Amados, a Bíblia é clara, e nela não há “meia verdade”: Nisto são manifestos os filhos de Deus e os filhos do diabo: todo aquele que não pratica justiça não procede de Deus, nem aquele que não ama a seu irmão (1 João 3.10). Somos uma sociedade, onde facilmente a injustiça pode ser vista como um desamor aos outros. Pois, pessoas roubam serviços públicos como luz, por exemplo, pouco se importando se isto vai estourar na conta dos outros. Há muita comoção diante das notícias de violência, principalmente contra nossas crianças, num país de elevada prostituição, maus tratos e exploração infantil; mas poucas vezes a comoção se transforma em atitudes. Afinal, muitos de nossos políticos são eleitos por causa da vantagem que trazem pra algumas pessoas, especificamente, e estas não se indignam diante dos atos corruptos que levam a estagnação ou destruição das cidades. Porque o pensamento é que se a minha família está tendo vantagens, pouco me importa os outros; literalmente, é cada um por si; ou “cada família por si” (o grande perigo é que se tratando de família dá a impressão que não somos egoístas). Isto sem contar o grande mal da omissão e indiferença, como bem citou Martin Luther King Jr: “O que me preocupa não é o grito dos maus. É o silêncio dos bons”. A Bíblia é clara em ressaltar que quem não pratica a justiça e não ama o seu irmão não é proveniente de Deus, quer dizer que não nasceu pra nova vida de intimidade e submissão a Deus; e assim não está dando muita importância ao perigo do pecado.  Como escreveu Eugene Peterson: “João sabia que nunca levaremos o amor a sério se não levarmos o pecado a sério, e a principal dificuldade para levarmos o pecado a sério é a nossa tendência para negá-lo ou minimizá-lo”. (Bíblia de Estudo A Mensagem).

          Concluindo, sabemos que praticar a justiça e amar às pessoas são atos de contínuo esforço, e que em alguns momentos podemos fraquejar. Por isso, humildemente, precisamos reconhecer que uma atitude deve ser constante na vida do cristão: o arrependimento. Que consiste no reconhecimento do pecado, na tristeza pelo mal cometido e na mudança de atitude. Que assim façamos como verdadeiros filhos de Deus.

Os justos festejam quando a justiça triunfa, mas para quem trabalha para o mal esse é um dia triste” (Provérbios 21.15).

Marcio Costa Daflon

Aplicação (1 João 3.7-10):

a) Com base em 1 João 3.7-10, que gestos e atitudes caracterizam uma pessoa nascida de Deus?

 

b) Comente sobre a prática da justiça; e, de que maneira você pode melhorar e avançar nesta prática?

COMENTÁRIOS
Comentário enviado com sucesso!

Igreja Presbiteriana de Miguel Couto

“Amando a Deus e às pessoas”

Estrada do Iguaçu, 113 – Miguel Couto – Nova Iguaçu – RJ – CEP.: 26.145-420 (21) 2769-0947

e-mail: igpresbiterianademiguelcouto@gmail.com

Quarta: 19h30 – Culto / Quinta e Sexta: Células nos lares

Domingo: 09h - Escola Bíblica / 18h – Culto

Miguel Couto - Tinguá – Nova América – Grama                    

                                                                                                                                                                                                                                                                  www.radios.com.br